14 de junho é uma data que marca um gesto de solidariedade: o Dia Mundial do Doador de Sangue. Instituído pela Organização Mundial de Saúde (OMS), tem como objetivo sensibilizar sobre a importância de doar sangue para auxiliar na manutenção de outras vidas em risco bem como agradecer aos que já abraçaram a causa e fazem doações regularmente.

Para 2017 o foco da campanha são as situações de emergência, como desastres naturais, acidentes e conflitos armados. Segundo a OMS, na última década, mais de 250 milhões de pessoas foram afetadas por emergências anualmente e a transfusão sanguínea é um fator essencial nos cuidados de saúde nesses casos.

Sendo assim, o propósito para esse ano é demonstrar que doar sangue voluntariamente é um tipo de ajuda valiosíssima. Com o slogan “O que eu posso fazer?” seguido da mensagem: “Doe sangue. Doe agora. Doe regularmente”, a OMS busca incentivar as doações não somente nos momentos de tensão, mas também como forma de abastecer os estoques, mantendo-os capazes de atender uma emergência no momento em que esta surgir.

Vai doar sangue? Saiba tudo sobre esse processo.

Doar sangue é um processo bastante simples e seguro que pode salvar até quatro vidas, entretanto, por medo, ignorância ou desinformação, de acordo com a Fundação Pró-Sangue, a porcentagem de doadores brasileiros é de apenas 1,9%. Acredita-se que esse índice seja um problema de origem cultural pelo fato do Brasil ser um país sem grandes históricos de guerras ou desastres naturais que demandem a doação voluntária para o tratamento das vítimas.

Conforme a legislação brasileira, toda pessoa em boas condições de saúde entre 16 e 69 anos, sem distinção de sexo, cor, raça ou condição social pode doar sangue. Esse ato de solidariedade é rápido, simples e seguro, pois todo material utilizado é de uso único e descartável, eliminando qualquer risco para o candidato.

Confira a seguir os requisitos básicos e os impedimentos temporários e definitivos para doar sangue.

Requisitos básicos

- Estar em boas condições de saúde

- Ter entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (para menores de 18 anos, verificar documentos necessários e formulários de autorização)

- Pesar no mínimo 50kg

- Estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas) e alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem à doação).

- Apresentar documento original com foto recente (que permita a identificação), emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Cartão de Identidade de Profissional Liberal, Carteira de Trabalho e Previdência Social ou Carteira de Habilitação)

 

Impedimentos temporários

- Resfriado: aguardar sete dias após desaparecimento dos sintomas

- Gravidez

- 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana

- Amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses)

- Ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem à doação

- Tatuagem nos últimos 12 meses

- Situações nas quais há maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis: aguardar 12 meses.

 

Impedimentos definitivos

- Hepatite após os 11 anos de idade

- Evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: hepatites B e C, Aids (vírus HIV), patologias associadas aos vírus HTLV I e II e doença de Chagas

- Uso de drogas ilícitas injetáveis

- Malária

Conforme a Fundação Pró-Sangue, ambos os impedimentos são os mais frequentes, mas não esgotam todas as causas que possam impossibilitar o processo. Dessa forma, antes de cada doação, a pessoa passa por uma entrevista individual com um profissional da área de saúde para a avaliação da sua aptidão para doar sangue.

A coleta sanguínea é rápida e todo o procedimento para doar sangue é constituído pelas seguintes etapas:

- Recepção e cadastro: fornecimento dos dados e recebimento do código que acompanha o doador durante todo o processo. Nessa etapa deve-se apresentar um documento de identidade com foto recente.

- Teste de anemia: para realização do teste colhe-se uma gota de sangue da polpa do dedo da mão, pois indivíduos com anemia não podem doar.

- Sinais vitais e peso: são verificados o batimento cardíaco, pressão arterial, temperatura corporal e peso.

- Triagem clínica: o candidato responde a uma entrevista confidencial, com o objetivo de avaliar se a doação pode trazer riscos para ele ou para o receptor de seu sangue.

- Voto de autoexclusão: depois da entrevista, a pessoa tem a oportunidade de dizer se tem ou não comportamento de risco sexualmente transmissíveis. Nesse momento é garantido a preservação da identidade do indivíduo. Caso a resposta ao voto seja SIM, ele fará a doação, o sangue passará por todos os testes e, mesmo que os resultados forem negativos, a bolsa não será utilizada para transfusão. Se a resposta for NÃO, a bolsa só será utilizada para transfusão se todos os exames apresentarem resultados negativos.

- Coleta: são coletados cerca de 450 ml de sangue em uma bolsa de uso único e estéril. Não há risco algum para o doador.

- Lanche.

Agora que você conhece todo o processo, que tal procurar um posto de coleta para doar sangue? E lembre-se que aqui na Singular Medicamentos você encontra os melhores remédios na área de hematologia e demais especialidades.

 

Fontes consultadas: Fundação Pró-Sangue| Organização Mundial de Saúde (OMS).

Comentário Facebook